Veja como a sanca muda o ambiente

A técnica é um ótimo recurso para criar diferentes cenários no ambiente com a ajuda da iluminação

Com efeito decorativo e ao mesmo tempo funcional. As sancas têm um papel importante na iluminação dos ambientes da sua casa e colaboram com diferentes sensações e efeitos experimentados no local em que estão instaladas. sanca

“Quando o imóvel tem um pé direito baixo, o uso de sancas é uma excelente alternativa para criar uma bela iluminação sem perder a altura total do cômodo. Além disso, o recurso evita que o espaço pareça mais apertado do que realmente é, como poderia acontecer com a utilização do gesso em todo teto. Se bem aplicadas, as sancas podem inclusive proporcionar uma percepção de maior amplitude”, ressalta a arquiteta Giovana Jacomini, de Goiânia (GO).

Como saber qual escolher

As sancas colaboram com a instalação da iluminação, possibilitando que a fiação passe por elas sem ficar aparente. Além disso, permitem o uso de luminárias embutidas, aumentando a gama de efeitos luminotécnicos. Os modelos fechados (veja as imagens na galeria desta matéria) podem ser uma boa aposta quando a intenção é focar a iluminação em determinados pontos da decoração ou do mobiliário. “Nesse caso, a sanca é instalada somente ao longo da parede em que se deseja obter esse resultado, deixando todo o restante da cobertura com o pé direito original”, explica Giovana. Segundo ela, esse modelo tem sido menos recorrente atualmente devido ao seu uso exagerado nos anos 1980.

As versões de sancas abertas têm como objetivo oferecer uma iluminação indireta, voltada para o teto. “A sua desvantagem é que evidencia todas as imperfeições da laje. Portanto, o ideal é usá-las quando todo o ambiente tiver forro”, alerta a arquiteta.

O recurso é ótimo para delimitar ambientes

Com as sancas cria-se uma barreira visual que indica o ponto em que começa e onde termina cada ambiente dentro de um espaço integrado. No entanto, é recomendado tomar cuidado para não projetar demarcações bruscas, o que acabaria reduzindo a sensação de integração.

Qual é a altura mínima necessária?

“O ideal é ter um pé direito livre de 2,60 m”, aconselha a designer de interiores Hellen Caroline, de Curitiba (PR). “Em ambientes com altura muito baixa, o melhor seria não fazer uma forração completa de gesso e optar por uma iluminação embutida na marcenaria para conseguir elaborar diferentes cenários”, sugere.

Em geral, as sancas possuem, no mínimo, 12 cm de largura e de 10 cm a 15 cm de espessura. Mas não existe um padrão, a técnica permite liberdade de criação e uso, sendo proporcional ao tamanho do espaço. “Com um pé direito de 2,40 m, por exemplo, recomenda-se uma sanca mais estreita ou então a chamada ‘falsa sanca’, que, por apresentar uma espessura menor, tem a desvantagem de não permitir a instalação de qualquer tipo de spot”, diz Giovana.

Fonte: Web Casas