Use o gás com segurança e previna acidentes

O síndico deve garantir a manutenção e inspeção, pois se o sistema for mal cuidado, o condomínio estará em perigo, devido à maior facilidade de ocorrer vazamentos.

Use o gás com segurança e previna acidentes

Seja na central ou no aquecedor de água, os cuidados com o GLP (Gás Liquefeito de Petróleo), conhecido como gás de cozinha, são indispensáveis. O síndico deve garantir a manutenção e inspeção, pois se o sistema for mal cuidado, o condomínio estará em perigo, devido à maior facilidade de ocorrer vazamentos. A escolha de uma empresa que apresente qualidade na prestação de serviços trará mais sossego ao gestor condominial e as famílias que moram no prédio.

É preciso vistoriar periodicamente as tubulações, locais de armazenamento, reguladores de pressão e válvulas de bloqueio. As conexões merecem observação especial, pois são os locais aonde mais ocorrem vazamentos. Se houver ferrugem aparente, deve ser contatada uma empresa especializada em manutenção. É importante não utilizar veda roscas e não tapar as adequações ambientais.

Ao contratar uma empresa para fornecimento e manutenção da central de gás, o diretor da Tubo Gás, situada em São José, Cristovão Antônio Goedert, recomenda aos síndicos que verifiquem se a organização tem registro junto ao Crea (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura) e conta com engenheiro responsável. “Dessa forma, caso ocorra algum sinistro poderá reclamar ao conselho, que tomará suas providências”, explica. Também é importante exigir uma relação de clientes para consulta dos serviços prestados e abastecer com companhias que prestam assistência técnica 24 horas. Assim, se houver vazamentos, o síndico pode acionar o serviço imediatamente.

Entre os cuidados com a central de gás, Goedert alerta que não pode ser armazenado com outros produtos. “Tem pessoas que costumam usar a central como depósito e guardam até tinta, um produto inflamável que aumenta os riscos de incêndio. Outro objetivo de deixar o espaço livre, é evitar obstruções para fechar o registro em caso de emergência”, descreve.

Os botijões de gás de 13 quilos são um perigo dentro dos apartamentos. Mesmo que não seja obrigatória a central de gás em condomínio, muitos prédios antigos ainda utilizam essa forma de abastecimento. Nesse caso, Goedert salienta que é preciso verificar a validade do regulador e mangueira e sempre comprar botijão com boa aparência. “Se estiver com um aspecto de muito usado e enferrujado, pode estar com problemas de corrosão e causar vazamento que ponham em risco o condomínio”, observa.

Os aquecedores de água a gás também merecem atenção. Conforme os manuais de instruções de fabricantes e as normas da ABNT (Associação brasileira de Normas Técnicas), deve ser feita manutenção preventiva rigorosa a cada 12 meses para aquecedores com acendimento automático e a cada seis meses para os que têm chama piloto (acendimento manual).

De acordo com o gerente técnico da empresa Aquecelares Aquecedores, Marcos Aurélio Pereira, a manutenção é necessária porque o aparelho perde o lubrificante no êmbolo por causa da passagem da água. “Entre as medidas, tem que ser colocada uma graxa para não romper a sua borracha. Sem manutenção, pode romper a saída da água quente”, explica.

Pereira lembra que é obrigatório o aquecedor ficar na área de serviço para garantir a segurança dos moradores. A falta de manutenção pode travar a válvula de gás e o aparelho ficar ligado. “Então começa a derreter a câmera de combustão, o equipamento não vai desligar e continuará funcionando,podendo pegar fogo”, explica. “É mais seguro e econômico do que o chuveiro elétrico, mas tem que seguir as regras. Em hipótese alguma se deve deixar papel, pano ou detergente embaixo ou próximo ao aparelho, sob risco de incêndio”, acrescenta.

Fonte: CondomínioSC