Uniformes: Cartão-postal dos condomínios

Por Andrea Mattos

Se é a primeira impressão que define um ambiente de trabalho, os uniformes são fundamentais para garantir uma boa apresentação do condomínio, além de melhorar a auto-estima e o conforto dos funcionários.

Calça social, camisas de mangas curtas e compridas, macacões de algodão. Estas são as opções mais comuns de uniformes recomendados para funcionários de condomínios. Eles promovem elegância, profissionalismo e asseio entre os moradores, prestadores de serviço e visitantes. Zelador, porteiros e faxineiros ganham em comodidade e conforto com uniformes apropriados para suas funções, enquanto o condomínio garante um melhor visual e apresentação de sua equipe.

Os uniformes dos funcionários podem ser considerados o cartão de visitas de um prédio. Sem uniforme, o condomínio aparenta ausência de uma administração eficiente, que pouco se importa com os profissionais, nem a imagem que o ambiente proporciona à comunidade. Além do aspecto visual, trata-se de um benefício especificado na convenção coletiva de trabalho da categoria dos funcionários em edifícios. Segundo a maioria das convenções de trabalho, os empregadores comprometem-se a fornecer aos empregados, gratuitamente, os uniformes considerados de uso obrigatório, incluindo luvas, botas, aventais, guarda-pós ou outras peças de indumentária necessárias ao atendimento da focalizada exigência. Ainda conforme estes acordos coletivos, o funcionário deve devolver o uniforme ao condomínio, em caso de extinção do contrato de trabalho e que, em caso de não devolução do uniforme, o empregador sujeita-se a indenizar o empregado pelo valor correspondente, comprovado por nota fiscal de aquisição.

ESPECIFICIDADE

Na prática, o uniforme funciona como um incentivo ao funcionário e devem ser escolhidos modelos adequados ao padrão do edifício. O clima brasileiro exige uniformes diferenciados para o inverno e o verão. Por exemplo, o terno e até a gravata para os porteiros podem ser liberados nos meses mais quentes do ano. Caso não sejam possíveis alterações, são recomendados ternos nas cores azul marinho ou grafite, nunca preto, cor muito pesada para os dias quentes. No verão, os porteiros podem usar calça social com camisa de manga curta, acompanhada ou não de gravata. Um estilo de camisa muito usado é o com dragonas, um tipo de galão costurado nos ombros. A escolha das cores é outro item importante para as camisas: branca ou azul clara, pois os outros tons acabam comprometendo. Já a gravata pode ser listrada ou estampada, porém com estampas que não ultrapassem um centímetro. As estampas pequenas são mais clássicas e elegantes.

Quanto aos tecidos, especialmente para as camisas, quanto maior a porcentagem de algodão na composição, melhor, mesmo custando mais caro, mas, por outro lado, facilitam a transpiração. Quanto a identificar ou não o nome do condomínio no bolso da camisa através de bordado ou silk-screen, a opinião dos síndicos se divide. Uns não abrem mão da identificação, enquanto outros receiam pela segurança do condomínio, no caso do funcionário sair do prédio uniformizado. Sapatos, suéteres de lã acrílica para o inverno e casacos mais pesados de lã para porteiros noturnos e seguranças são outras peças necessárias.

Para os faxineiros, não há muita escolha. Os conjuntos de calça e camisa de brim são os mais utilizados, especialmente nas cores cinza, cáqui, azul royal e tons de marrom. A orientação é pela compra de pelo menos três conjuntos por funcionário, para garantir a troca constante. Alguns complementos são essenciais para a segurança dos faxineiros no trabalho, como sapatos com bico reforçado, botas e luvas de borracha e capas de chuva.

NA MEDIDA

Por mais que o síndico tenha as medidas e as numerações dos funcionários, é importante sempre fazer a compra com condições de troca. Há fabricantes de uniformes que vão até o condomínio e levam um mostruário para a prova dos funcionários, diminuindo a margem de erro. Fique atento ainda para a necessidade de ajustes, como barras de calças. Se a empresa não fizer os consertos, acerte previamente com os funcionários que cada um deverá arcar com esses custos. Depois da entrega dos uniformes, é necessária uma fiscalização periódica. O zelador ou o próprio síndico devem vistoriar se os funcionários estão utilizando corretamente o uniforme.

Fonte: Jornal do Síndico