Sinalização evita acidentes em áreas comuns

Cuidado! Pare! Área Restrita! Estas são algumas mensagens espalhadas pelas áreas comuns, que garantem segurança a todos. Placas e equipamentos de sinalização ajudam a identificar onde estão as proibições e os perigos do condomínio

Infelizmente, na maioria dos condomínios, os moradores só contam com o “olhômetro” para fazer circular nas áreas comuns. Não há como saber se o chão está escorregadio, se existe a possibilidade de algum acidente no local, ou até qual o andar que se encontra. Os sinais de segurança compreendem sinais de aviso (advertindo um perigo), de proibição, de obrigação (impondo um comportamento), de indicação, de salvamento ou socorro (indicando saídas de emergência e meios de socorro e de emergência).

Em muitas garagens, mesmo sendo um local por onde transitam veiculos e pedestres, a ausência de sinalização é uma constatação. Os acidentes são muito comuns, que vão desde simples colisões a atropelamentos nas vias de acesso e nas garagens. E um dos motivos destas ocorrências é a falta de sinalização, que orienta e lembra o motorista sobre os cuidados que devem ser tomados naquela região. É claro que a imprudência é a causa principal que traz insegurança aos moradores, mas os síndicos precisam levar em conta os sistemas de sinalização.

Sinalização de perigo, proibição e incêndio

Os sinais de perigo visam advertir para uma situação, objeto ou ação susceptível de originar dano ou lesão pessoal e/ou nas instalações. Os sinais de perigo devem possuir as seguintes características: forma triangular e pictograma negro sobre fundo amarelo, margem negra (a cor amarela deve cobrir pelo menos 50% da superfície da placa). Alguns destes sinais podem estar presentes em rótulos de substâncias e/ou produtos, alertando para características destes produtos que possam constituir perigo, como substâncias inflamáveis, explosivas, eletrocção, tropeçamento, queda em desnível, por exemplo.

Os sinais de proibição visam impedir que um determinado comportamento, susceptível de colocar em risco a segurança de um indivíduo, ocorra. Esses sinais de proibição devem possuir forma circular e pictograma negro sobre fundo branco, margem e faixa (diagonal descendente da esquerda para a direita, ao longo do pictograma, a 45º em relação à horizontal) vermelhas (a cor vermelha deve cobrir pelo menos 35% da superfície da placa). Estes sinais avisam a proibição de fumar ( nos elevadores, por exemplo), a entrada de pessoas não autorizadas, dentre outras.

Os sinais de incêndio visam indicar, em caso de incêndio, a localização dos equipamentos de combate a incêndio à disposição do utilizador. Os sinais relativos ao material de combate a incêndios devem possuir forma retangular ou quadrada e pictograma branco sobre fundo vermelho, (a cor vermelha deve cobrir pelo menos 50% da superfície da placa). Locais: escadas, telefone de emergencia, extintor e indicação da direção a seguir em casos de sinistros.

Garagens

Atualmente, existem diversos tipos de sistemas, que podem ser instalados nas várias rampas de acesso ou níveis de garagem por onde transitem veículos. Existe um sistema básico para qualquer estabelecimento que possua, no mínimo, 3 vagas de garagens ou espaço para tal: é composto de uma sinaleira modelo 938 ligada na função de simples liga/desliga, sendo necessário que alguém acione o sistema sempre que um veículo saia da garagem em questão.

Os cones de tráfego (também chamados cones de estrada ou cones de segurança) são cones de plástico de cores brilhantes usados em vias públicas para avisar aos condutores de zonas em obras ou acidentes. Os cones também se usam em espaços públicos interiores para marcar zonas que se encontram fechadas, trabalhadores fora de serviço; ou para destacar uma situação de perigo, como um solo escorregadio. Também podem usar-se em zonas de jogo em áreas de lazer para delimitar áreas do campo. Podem ser em muitas cores, laranja, amarelo e vermelho, principalmente, por serem cores quentes. Também têm uma fita refletora para incrementar sua visibilidade. Estes cones são fáceis de colocar e retirar. Onde se precisam marcas maiores e consistentes se utilizam barreiras de tráfego, recheadas de areia.

Fonte: Jornal do Síndico