Segurança: condomínios investem em vizinhança solidária para se proteger

Software cria anel de vigilância para integrar portarias e evitar arrastões

 Com a onda de arrastões que vem atingindo São Paulo, a Paulista Informática criou uma opção inteligente para proteger os condomínios: Vizinhos Solidários (www.vs01.com.br). O software é baseado em redes (anéis) de cinco prédios interligados em que um porteiro é monitorado por outros quatros. O objetivo é garantir a segurança da portaria para, assim, manter os condôminos fora de perigo.

Vizinhos Solidários

O porteiro de cada condomínio tem acesso às imagens das câmeras instaladas nos edifícios interligados, além de contar com dois botões: “Atenção” e “Pânico”. O primeiro serve para alertar os outros sobre alguma suspeita de perigo; o segundo deve ser usado quando já estiver ocorrendo uma situação que ameace o condomínio. As demais portarias observam tudo o que está acontecendo no edifício alvo dos bandidos e recebem instruções do sistema sobre como proceder, a partir das orientações do síndico.

“Com o sistema, qualquer um dos porteiros pode acionar as medidas cabíveis a fim de socorrer o condomínio invadido, o que significa segurança redobrada”, explica Carlos Braga, sócio-fundador do Vizinhos Solidários. Recomenda-se que os condomínios estejam localizados próximos um do outro, o que auxilia a entender a rotina do bairro e a identificar suspeitas.

Vizinhos Solidários

O sistema exige apenas três recursos para operar: uma câmera exclusiva, um microcomputador e conexão com internet banda larga. Todas as imagens gravadas são salvas na “nuvem”. “Ao invadir, a primeira ação do bandido é destruir o gravador DVR para impedir os registros do crime. Nosso software armazena tudo automaticamente, o que torna possível o acesso depois”, diz o sócio. Cada vigia possui, ainda, login e senha característicos no sistema, além de identificação com foto.

Braga destaca a figura do porteiro como principal agente da segurança de condomínios. “Oferecemos treinamento e acompanhamento desses funcionários, que são centrais nesse contexto”, afirma. Reuniões promovidas pela Secretaria de Segurança Pública do estado e o Secovi-SP incentivaram a iniciativa intramuros. Antônio Oliveira, sócio de Braga, reforça: “A Polícia Militar recomenda ações como essa. É um conceito que funciona em ambientes residenciais e comerciais”.

O Vizinhos Solidários, lançado em 2013, já está nos bairros de Jardins, Moema e Cerqueira César, além de Osasco, na grande São Paulo. O valor mensal para contratação do serviço é de R$ 362 por condomínio, não inclusos os equipamentos necessários, que podem ser alugados ou comprados à parte.

Fonte: Segs