Saiba o que há pra fazer de graça (ou quase) em Curitiba

Feriado está aí e você quer aproveitar o dia de folga pra conhecer o que a cidade pode te oferecer? O Guia Gazeta do povo preparou uma lista de atrações pra você curtir sem precisar desembolsar muito dinheiro. A programação vai desta quinta (19) até a próxima quarta (25):

Shows

Divulgação / Exposição fotográfica revela cotidiano dos Andes

Abrimos com o 24º Festival da Imigração Japonesa – Imin Matsuri, que acontece entre os dias 21 e 22 de junho, no Expo Renaut Barigüi. Tradicional festa que celebra a chegada dos primeiros imigrantes japoneses em solo brasileiro, em 1908, homenageia a cultura nipônica com diversos elementos que vão desde culinária, apresentações artísticas, exposições e oficinas.

Na programação deste ano estão previstas apresentações de Bon Odori (tambores japoneses), Yosakoi Soran, oficinas de desenho em estilo mangá – ministrada por Fulvio Pacheco –, oficina de haikai (poemas típicos orientais compostos por três versos), ministrada por Álvaro Posselt, autor de livros como “Tão Breve Quanto o Agora”, além de exposições como “Curitiba e Seus Olhos”, composta de diversas perspectivas fotográficas que retratam a cidade pelo olhar do curitibano. Os ingressos estarão disponíveis no local pelo valor único de R$5.

Outro festival que segue na programação é o FIFA Fan Fest, evento oficial da FIFA que acontece durante todo o mês de junho, e celebra a escolha do Brasil como a sede da Copa do Mundo de Futebol. Dentro do período mencionado, algumas das atrações são: Tambores de Ideias (19/06), Namorada Belga (21/06), Estrela Leminski (22/06), Jota Quest (23/06), Calamengau (24/06), Grupo Samba de Saia (25/06), entre outras. Lembrando que o ingresso é gratuito e precisa ser retirado para cada dia do evento na Rua da Cidadania Matriz, na Praça Rui Barbosa.

Tem ainda o já famoso projeto Menu Musical, que semanalmente, durante todo o mês de maio, com entrada gratuita, traz ao palco do Shopping Curitiba apresentações que mesclam diversos gêneros musicais.

Teatros

Passando da música ao teatro, a peça “Amargo Santo da Purificação”, encenada gratuitamente na Praça Santos Andrade, na próxima sexta (20), remonta a história de Carlos Marighella, este herói popular, que lutou contra as ditaduras do Estado Novo e do Regime Militar e que os setores dominantes tentaram banir da cena nacional durante décadas. O espetáculo é um painel dos principais acontecimentos que ocorreram no nosso país no século XX. A entrada é gratuita.

Já no Teatro da Caixa, a peça Mistero Buffo ganha o palco. Com direção de Neyde Veneziano, a peça – encenada pela companhia La Mínima – é composta por recriações de textos bíblicos “A Ressurreição de Lázaro”, “O Cego e o Paralítico”, “O Louco e a Morte” e “O Jogo do Louco aos Pés da Cruz”, no estilo clown. A montagem fica em cartaz dos dias 19 a 22 de junho, e os ingressos custam entre R$ 10 e R$ 5.

Mas, se o que você quiser mesmo é descobrir se, afinal, você sabe ou não dançar, você precisa conferir o espetáculo “So You Think You Can Dance”, em cartaz no teatro Cleon Jacques, entre os dias 19 de junho e 6 de julho, com entrada gratuita.

Dirigido pela pesquisadora Marila Velloso, o espetáculo questiona os conceitos de dança contemporânea e da própria dança em si, através da interação de bailarinos de diferentes compleições físicas. A discussão sobre o que é dançar bem hoje em dia, sobre o que é necessário para se saber dançar, sobre conhecimentos específicos entre distintas técnicas de dança – fazem parte dos dados exercitados nessa coreografia. Depois do trabalho intitulado “Entre Danças… uma dança de quê”, a coreógrafa Marila Velloso esboça um recorte espacial visando intensificar a relação entre habilidades para improvisar e compor em conjunto.

Exposições

Abrimos com a exposição fotográfica “Amazônia Andes: da foz à nascente, do Atlântico ao Pací”, em cartaz no espaço de criação Ave Lola, entre os dias 12 de junho a 13 de julho. A mostra reúne 23 imagens captadas pelas lentes de João Tezza dos rios, florestas, a fauna e a flora que permeiam a rotina e a vida do homem natural desse recorte geográfico. Também disponível uma publicação de 180 páginas e 122 imagens da viagem que deu origem à exposição. O livro foi produzidos por João Tezza e Jamilsa Melo. A entrada é gratuita.

Outra opção é a exposição “Ad Tempora”, em cartaz no Centro de Criatividade de Curitiba, que reúne peças do escultor Jorge Pedro. O artista pensou como tema a subjetividade do tempo. O artista plástico criou uma série de obras, a maioria relógios, objeto máximo de marcação do tempo, por meio da técnica da assemblage (junção de vários materiais). A ideia surgiu quando o artista começou a pensar no seu futuro. O objetivo é abrir a discussão e proporcionar que as pessoas parem para refletir sobre o assunto. Permanece em cartaz entre os dias 6 de junho e 8 de julho e a entrada é gratuita

Fechamos com a exposição “Paraná Espanhol” em cartaz no Museu Paranaense entre os dias 6 de junho e 14 de setembro, que traz detalhes históricos sobre os primeiros europeus que estiveram no território que viria a ser o Paraná. Será abordada na exposição, por meio de instalações, banners, fotografias, painéis, textos e objetos arqueológicos, os detalhes sobre a vida dos moradores nativos da região, contrastado com o novo ambiente das cidades espanholas. A entrada é gratuita.

Fonte: Gazeta do Povo