Reajuste zero

Veja como evitar que a sua taxa de condomínio aumente esse ano

por Marcio Rachkorsky

Meses atrás, escrevi sobre o galopante aumento das despesas condominiais, muito acima da inflação e alertei para que moradores de condomínios preparassem o bolso para um novo reajuste neste ano.

Infelizmente eu estava certo e, por conta dos dissídios coletivos, reajustes contratuais e exorbitantes aumentos nas contas de luz e água, o condomínio não para de subir.

Muitos edifícios já operam no vermelho e o clima nas assembleias é de impotência diante da necessidade de equalizar a arrecadação ordinária para cobrir os gastos.

É possível, no cenário atual, planejar o tão sonhado reajuste zero na taxa de condomínio ou então um aumento em percentual menor? Sim, em muitos condomínios é possível.

Tudo depende de planejamento, esforço, união e, acima de tudo, consciência para compreender que não há milagres e que o enxugamento de custos impõe sacrifícios, fim de certas comodidades e investimentos estruturais iniciais.

É cortar na própria carne, já que, em média, 80% dos custos de condomínio ficam por conta de funcionários e contas de consumo. Abaixo seguem algumas providências, que devem ser discutidas, votadas e aprovadas em assembleia geral.

1. Renegociação com fornecedores de serviços, especialmente os mais caros, como mão de obra terceirizada (portaria, segurança e limpeza) e elevadores, sempre com bom senso e equilíbrio.

2. Reforço nas campanhas para uso racional de água, luz e gás.

3. Investimento em sistemas de medição individual de água e gás, de forma que cada condômino pague pelo seu efetivo consumo.

4. Adoção de equipamentos e conceitos geradores de economia a médio e longo prazo, como lâmpadas LED para as áreas comuns, sensores de presença para garagens e escadarias e reservatório para águas pluviais e de reúso.

5. Corte de certas comodidades, a fim de reduzir o quadro de funcionários, como, por exemplo, cada morador levar seu lixo até o local apropriado e buscar suas correspondências em caixinhas individuais.

6. Combate aos inadimplentes, sobretudo com a utilização do protesto em cartório, uma ferramenta extremamente eficiente e gratuita.

Fonte: SindicoNet