Primeira impressão

Alteração de cor, tipo de tinta, lavagem e conservação são pontos a considerar para deixar a fachada do prédio sempre atraente

fachada 11Dizem que a primeira impressão é a que fica, e isso também poderia valer quando se trata de um condomínio. Não é à toa que os cuidados com a fachada são tão importantes.

A conservação por meio de pintura ou de lavagem (conforme o revestimento do prédio) é prevista na Lei Municipal 10.518, de 16 de maio de 1988. Essa lei dispõe que é preciso lavar ou pintar a fachada do prédio no mínimo a cada cinco anos, de modo que a construção ostente adequadas condições estéticas.

“No entanto, as aplicações da legislação não são normalmente observadas na prática, cabendo ao síndico e aos condôminos avaliarem a situação periodicamente, garantindo a preservação do patrimônio comum, a boa conservação e a segurança dos elementos da fachada”, explica Omar Anauate, diretor de Condomínios da Aabic (Associação Brasileira de Bens Imóveis de São Paulo).

E se quiser alterar?

Se o objetivo for realizar alguma alteração ou pintura na fachada de um condomínio é preciso que haja concordância de 2/3 dos condôminos-proprietários, sendo necessária a realização de uma assembleia geral, com um quórum previsto na convenção de condomínio, conforme indicação do Artigo 1.334 do Código Civil.

“Quanto à escolha da cor e acabamentos a serem utilizados, também decididos em assembleia, é preciso uma análise conjunta dos aspectos de segurança, técnicos e estéticos”, complementa Anauate.

As tintas mais recomendadas para pinturas externas são os látex acrílicos, tintas à base de água e apresentadas em acabamento fosco e semibrilho. A maior parte dos condomínios ainda opta por tons pastéis, como palha e marfim, além, é claro, do branco.

“As composições costumam ser feitas nos detalhes, como requadros de janelas ou molduras, utilizando uma cor um tom mais escuro do que a tinta utilizada no corpo da fachada”, diz Carlos Duprat, sócio-proprietário da Cleaner Manutenção e Pintura.

Manutenção e escolha das cores

  • É recomendável uma lavagem da fachada por hidrojateamento após três ou quatro anos da entrega dos serviços. Isto visa à remoção de poluentes ambientais que agridem a tinta aplicada. Desta forma a pintura terá maior durabilidade e poderá ser refeita após até oito anos dependendo da região
  • Ao escolher a cor da fachada de um condomínio deve-se levar em conta o estilo arquitetônico, projeto de paisagismo, como também a qualidade do produto escolhido e a manutenção da beleza da cor
  • Nas cores escuras e intensas utilizadas em alguns elementos da fachada, por possuírem uma quantidade muito grande de corante, o desbotamento poderá ocorrer de forma mais rápida. Por isso o ideal é optar por um tom mais escuro do que o desejado

Fonte: iCondominial