Período de férias

Crianças devem ser monitoradas dentro do condomínio

Férias requerem cuidados redobrados com crianças nos prédios residenciais

Durante as férias escolares que se aproximam, as crianças que moram em condomínios residenciais e não viajam tendem a passar mais tempo nos apartamentos.
O condomínio pode estimular a realização de recreações, como jogos em quadra e atividades na brinquedoteca, por exemplo, mas sempre com a presença de um adulto na supervisão.
Nos prédios com pouco espaço para lazer pode-se incentivar a realização de jogos de tabuleiro, quebra-cabeças, bonecas a carrinhos, entre outras atividades. Outra iniciativa é a implantação de uma biblioteca, com livros doados pelos pais, para incentivar a leitura dos pequenos que já forem alfabetizados.
“A contratação de uma escolinha de esportes ou de profissionais especializados em recreação pode ser interessante para a organização das atividades com as crianças”, diz Angélica Arbex, gerente de Relacionamento com o Cliente da Lello Condomínios.
Segundo ela, o síndico também pode sugerir ou mesmo organizar previamente, alguns passeios externos, para locais como parques, museus, zoológico e outros pontos turísticos. “Mas é importante que pelo menos um morador fique como responsável pelo grupo nesses passeios”.
Sobre a segurança das crianças, a preocupação maior deve ser em relação a elevadores, garagem, escadaria, piscina, playground e áreas de acesso restrito como caixas d’água e casa das máquinas.
Nas áreas comuns, algumas medidas são fundamentais. Não é recomendável que crianças menores de 10 anos andem sozinhas no elevador. O condomínio também deve proibir que as crianças brinquem nas escadas e na garagem. É importante manter a escadaria e as garagens com boa iluminação e não deixar entulhos ou outros materiais nesses espaços.
Em relação ao playground ou brinquedotecas, a principal orientação é para que os brinquedos sejam regularmente vistoriados, para verificar possíveis defeitos. Brinquedos móveis como gangorra e gira-gira merecem atenção redobrada. E as crianças menores de cinco anos devem estar sempre acompanhadas por um responsável, que poderá socorrê-las imediatamente no caso de um acidente.
Na piscina, todo cuidado é pouco. As crianças nunca devem permanecer sozinhas nesses locais. O síndico deve orientar os funcionários a ligarem imediatamente para os pais dos menores que forem encontrados desacompanhados de adultos na piscina.
Fonte: SindicoNet