Obra sustentável ganha preferência do consumidor

Pablo Contreras / Telhado verde é uma das soluções ambientais que podem ser adotadas nos empreendi­mentos

Telhado verde é uma das soluções ambientais que podem ser adotadas nos empreendi­mentos

A sustentabilidade deixou de ser um conceito para se tornar uma realidade no mercado da construção civil. Nos últimos anos, o setor precisou se reinventar para atender aos consumidores que, cada vez mais informados e exigentes, buscam soluções que tragam desempenho ambiental para o dia a dia dos empreendimentos.

“Em todas as etapas da construção civil, a sustentabilidade veio para ficar”, afirma Guido Petinelli, arquiteto e consultor especializado em certificação LEED, palestrante convidado do Encontro Nacional para Inovação da Construção Civil (Eninc). O evento será promovido pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Paraná (Sinduscon-PR) nos dias 2 e 3 de junho, no Centro de Eventos da Fiep, e discutirá temas relacionados à inovação e sustentabilidade no setor.

Utilização de materiais e sistemas construtivos inteligentes, produzidos a partir de produtos recicláveis ou que demandem menos insumos para a construção, redução dos desperdícios na obra e oferta de soluções que resultem em menor consumo de recursos energéticos – como a instalação de placas solares – estão entre as principais características de uma obra sustentável. “O empresário que não pensar nesses aspectos começará a ficar de fora do mercado”, sinaliza o vice-presidente de área técnica do Sinduscon-PR, Euclesio Manoel Finatti.

Tudo isso ajuda a entregar para o cliente um ambiente saudável, com ventilação e iluminação natural, qualidade do ar e conforto térmico, acústico e visual. “Esse é o maior desafio, oferecer conforto com menor consumo de energia”, afirma Petinelli.

De olho nesse diferencial, muitas empresas têm buscado a certificação LEED para seus empreendimentos, como forma de comprovar seu desempenho ambiental. O arquiteto explica, entretanto, que a sustentabilidade de uma obra não está restrita à certificação, e que pode ser incorporada a qualquer tipo de imóvel.

Ao alcance de todos

Um mito sobre a eficiência energética de um empreendimento é a necessidade de grandes investimentos financeiros. Petinelli explica que soluções ambientalmente corretas podem ser incorporadas em imóveis já construídos e que, às vezes, não necessitam nem de reformas para serem realizadas.

Segundo ele, toda decisão tomada pelos moradores para a utilização do imóvel, como a escolha dos eletrodomésticos, afeta o consumo de água, energia e a saúde da família, mesmo que não sejam percebidas dessa forma. “Exercitar a sustentabilidade é mais simples do que se imagina e está acessível a todos. Basta vontade para buscar as informações e executar as ações que, além de contribuírem com o meio ambiente, proporcionarão uma economia considerável ao orçamento familiar”, ensina.

Empresas buscam certificação do selo LEED

Concedida pela ONG United States Green Building Council (USGBC), a certificação LEED (Liderança em Energia e De­sign Ambiental, na sigla em inglês) é uma das mais representativas no que se refere ao desempenho energético de um empreendimento imobiliário. Tanto que as empresas do setor investem na obtenção do selo norte-americano como forma de se diferenciar das concorrentes no mercado.

“A certificação permite ao consumidor avaliar de forma clara e objetiva os produtos disponíveis e estabelecer uma relação de custo-benefício. Considerando que um imóvel é um dos maiores investimentos que uma pessoa faz na vida, ela oferece uma métrica para a tomada de decisão”, diz o arquiteto Guido Petinelli.

O Brasil está entre os dez países com maior número de certificações LEED no mundo, com grande concentração de selos ainda nos setores mais sofisticados da construção civil. Em Curitiba, o primeiro edifício conquistou a certificação no ano de 2011. “Nos próximos dois anos seremos a terceira capital do país em número de empreendimentos com o selo”, informa o vice-presidente de área técnica do Sinduscon-PR, Euclesio Manoel Finatti.

Para obter a certificação LEED, o empreendimento deve responder questões como prevenção de poluição durante a construção, redução na utilização de água, impacto do edifício no entorno e não uso de CFC’s (clorofluorcarbonetos). A performance energética e o pensamento sobre como reutilizar os elementos em uma possível reforma também compõem a lista.

Guido Petinelli / Placas solares contribuem para reduzir o consumo de energia

Guido Petinelli / Placas solares contribuem para reduzir o consumo de energia

Dentro de casa

Fazer economia de luz em casa não é uma tarefa difícil. Medidas simples e que, em grande parte dos casos, não demandam investimentos financeiros vão contribuir com a sustentabilidade dos imóveis, seja em casa ou no trabalho. Confira algumas dicas.

• Regule os temporizadores e verifique vazamentos nas torneiras e tubulações para reduzir o consumo de água;

• Escolha eletrodomésticos e eletroeletrônicos com classificação A no selo Procel de eficiência energética;

• Adquira produtos fabricados com matéria-prima reciclável ou que gerem menos resíduos ambientais no descarte;

• Opte por vasos sanitários com duas opções de acionamento da descarga, de três e seis litros;

• Programe o desligamento dos monitores de computador e de outros eletroeletrônicos no período em que não estarão em uso;

• Apague a luz quando o ambiente estiver vazio e sem uso.

Fonte: Gazeta do Povo