O síndico sumiu com o dinheiro

Viver em condomínio exige não apenas o preparo dos moradores, quanto daqueles que exercem o cargo de síndico. A falta de maior profissionalismo no controle das contas pode gerar situações drásticas, como a enfrentada pelo síndico Cristovão Luis Lopes, em um residencial de dez torres e cerca de três mil moradores na zona Norte de São Paulo. O síndico anterior, ex-morador, fugira na calada da noite com todo dinheiro e documentação, incluindo o histórico da inadimplência.

1 – DEPOIS DO CHOQUE, COMO SE REORGANIZOU A CASA?

Era um condomínio com administração própria. Pagamentos, recebimentos e inadimplência tinham controle manual. Pagamentos de impostos, de funcionários etc. também eram realizados desta maneira. Havia um síndico ativo, que organizava festas coletivas, mas que uma noite brigou com a companheira e resolveu ir embora, levando todos os registros do condomínio. Na manhã seguinte, passou no banco e sacou o que podia (exceto o que estava para ser compensado), algo em torno de R$ 230 mil. Fui eleito síndico profissional numa Assembleia Geral Extraordinária para concluir o mandato e resolver a situação. Não havia outra saída senão renegociar todos os pagamentos e buscar dinheiro extra para a folha dos funcionários. Nova Assembleia aprovou o rateio e organizamos festas dentro do condomínio para levantar fundos.

2 – COMO FOI A TRATATIVA COM OS CONDÔMINOS?

Foi preciso expor a situação de maneira transparente. Neste caso, as festas não apenas ajudaram a alavancar o caixa, quanto uniu o condomínio. Foram meses complicados, mas compensadores, pois as famílias passaram a disponibilizar uma parte de seu tempo para conviver com os demais moradores.

3 – O QUE FOI FEITO P A RA REAVER O DINHEIRO E PENALIZAR O RESPONSÁVEL?

Acionamos os órgãos competentes nas áreas cível e criminal contra o ex-síndico, que responde a processo, mas este ainda não foi julgado. Quanto ao histórico anterior da inadimplência, não pôde ser recuperado.

 

Fonte: Direcional Condomínios