Moradores de condomínio de SP criam reunião de confraternização

Encontro acontece todas as quartas-feiras, dia de jogos de futebol. Moradores conversam sobre melhorias do local e fazem amizades.

[jwplayer mediaid="1171"]

Moradores de um condomínio no Mandaqui, na Zona Norte de São Paulo, resolveram criar uma reunião semanal para confraternizar e discutir as melhorias do local. A iniciativa deu tão certo que o encontro “Clube do Bolinha e da Luluzinha” acontece semanalmente, às quartas-feiras, como mostrou a reportagem do SPTV desta terça-feira (28).

A ideia de fazer o churrasco com os vizinhos foi do publicitário Carlos Piccolo. Ele já chegou a reunir 17 das 32 famílias que moram no condomínio. “O happy hour em casa não tem problema, as crianças participam junto. Muitas vezes as esposas também. Não tem Lei Seca, porque elevador não tem bafômetro”, fala Piccolo.

O publicitário virou o presidente do “Clube do Bolinha”. Há dois anos, quando tudo começou, só os homens participavam. Depois, as mulheres passaram a dividir o pedaço e foi preciso fazer algumas adaptações.

“Através do ‘Clube do Bolinha e Luluzinha’ a gente foi vendo as necessidades das crianças, do condomínio em relação à administração, a parte financeira. Durante a festa, a gente vai conseguindo conquistar os moradores e quando o assunto vai para para assembleia, fica mais fácil de resolver”, diz a podóloga Lizandra Lourenço Dias.

O encontro acontece toda quarta-feira, dia de jogo. Só que o futebol não causa estresse entre eles e elas. Uma moradora doou uma TV para os homens assistirem as partidas tranquilamente perto da churrasqueira. Enquanto isso, as mulheres ficam batendo um papo ou curtindo um DVD.

Quando rola um clássico, as mulheres acabam cedendo a TV maior. “Em dia de grandes clássicos, a galera se divide e cada um pode torcer individualmente para o seu time”, explica a securitária Soraia Cairo.

Algumas amizades que começaram nas festinhas do condomínio viraram relações profissionais. Hoje, as empresárias Paula Aboud e Carol Takacs são sócias. “A gente trabalhou durante muito tempo com publicidade e decidimos montar uma editora”, fala Paula.

Fonte: G1