Mais que tijolo e cimento: os muros de plantas

Cadê o muro do seu condomínio? As plantas cobriram; ou melhor, ornamentaram. Muitas vezes, relegados, os muros que circundam os prédios podem não só ser motivo de segurança e privacidade, mas se incorporarem ao projeto paisagístico, tornando a área mais bonita.

Condomínio que é condomínio tem muro. Se assim não fosse, inexistiria a idéia de área privativa. Além disso, eles são necessários para garantir a delimitação de terreno e a segurança. Mas, eles não são nada bonitos. Por mais que se utilizem materiais modernos e arrojados, muros são sempre muros. A boa notícia é que algumas plantas podem contornar este problema e ainda criar um visual natural, integrando o muro ao projeto paisagístico do condomínio. E são muitas as opções, e a escolha delas depende do terreno, da extensão e da localização do muro: todas elas são classificadas como trepadeiras e arbustos escandentes, mas que possuem diferenças significativas.

As gavinhas são ramos filamentosos, herbáceos, sem folhas, que servem como elementos de fixação da planta. Assemelham-se a uma espécie de fios finos e enrolados que permitem que a planta se fixe nos apoios que encontra pelo caminho. Aparecem em plantas como o maracujazeiro e a parreira. As trepadeiras com gavinhas podem conferir um visual belo e florido ao muro, mas necessitam de uma estrutura de suporte como uma tela de arame ou plástico, distanciada uns 3 cm do muro. As trepadeiras-castanha proporcionam um visual muito ornamental, como se fosse uma densa cortina de folhas. Ideal para regiões de clima ameno e frio.

Raízes adventícias

Já o Maracujá-roxo é o mais conhecido, produz flores belíssimas, com uma mistura de cores exuberante e frutos quase o ano inteiro. Originária do Brasil e América tropical, necessita de sol pleno para se desenvolver. Propaga-se por meio de sementes. O plantio utilizando mudas já formadas garante maior rapidez na cobertura do muro. No Amor-agarradinho ou mimo-do-céu, a folhagem é brilhante e a floração cor-de-rosa é abundante e delicada. A condução com fios de nylon é fundamental para sua adaptação. Originária do México, deve ser cultivada sob sol pleno, ideal para Goiânia e toda a região Centro-Oeste.

As trepadeiras de raízes adventícias caracterizam-se por se fixarem por meio de suas raízes adventícias, que nascem nos caules ou nas folhas de qualquer vegetal. São justamente estas raízes que fazem destas trepadeiras ótimas plantas para revestimento de muros, podendo até escondê-lo totalmente, principalmente se a superfície for porosa e áspera (tijolo aparente, pedras e chapisco grosso). Elas só não vão bem em muros pintados com cal. As trepadeiras de caules torcidos possuem caules lenhosos e vigorosos, crescem rapidamente e geralmente produzem lindas flores em abundância. Este tipo de trepadeira exige um pouco mais de trabalho, pois é preciso conduzir o seu crescimento com arames ou fios de nylon.

Arbustos escandentes

Outras plantas não são trepadeiras, mas sim arbustos escandentes. Dentre elas, são muito comum a alamanda e a costela-de-adão. Estas duas espécies são excelentes para a decoração de muros: a Alamanda também conhecida como alamanda-amarela ou dedal-de-dama, pode proporcionar uma bela decoração para muros, com seus ramos pendentes floridos. A alamanda produz flores amarelas e grandes, necessita de sol pleno e se reproduz por meio de estaquia dos galhos. Originária do Brasil, é ideal para clima quente e úmido e o espaçamento indicado é de 50 cm entre as plantas. Mas deve-se ter um cuidado extra com esta espécie, pois trata-se de uma planta tóxica.

A costela-de-adão ou banana-de-macaco possui uma folhagem exótica e exuberante que adere bem ao muro, mas possui o crescimento bem lento. Combina bem com muros rústicos, especialmente os muros de pedras. Originária do México, gosta de locais à meia-sombra.

Fonte: Jornal do Síndico