Imóveis no térreo podem custar até 35% menos do que em andares mais altos

Até se casar, a enfermeira Gisele Cabral, de 28 anos, sempre morou numa casa. Já o marido, David, não queria mais viver num edifício. Enquanto procuravam um imóvel, pensaram: por que não comprar um apartamento de térreo, com área externa, e ter a sensação de estar numa casa? O sonho foi conquistado em 2010, quando encontraram um, no Rio Comprido.

- O David sempre teve vontade de morar numa casa, só que é mais cara. Compramos por R$ 130 mil, e hoje está valendo bem mais, em torno de R$ 300 mil – afirma Gisele.

O apartamento da enfermeira Gisele Cabral tem uma boa área externa

O apartamento da enfermeira Gisele Cabral tem uma boa área externa

No mercado imobiliário, apartamentos térreos são menos valorizados do que os demais. A regra é: quanto mais alto, mais caro. Rogério Quintanilha, gerente da administradora Apsa, afirma que esses imóveis custam de 25% a 35% menos (para compra e locação) do que outros do mesmo edifício.

- A maioria desses prédios com apartamentos no térreo é antiga, sem elevador. Por isso, o condomínio tende a ser menor, assim como o IPTU. Eles são muito procurados por pessoas de mais idade – diz Quintanilha.

Se o apartamento térreo tem área externa, o perfil de moradores se amplia. Jovens e famílias com crianças e animais de estimação entram no grupo de interessados, devido ao espaço.

Para Rubem Vasconcelos, presidente da Patrimóvel, se o apartamento térreo tem área externa, ele pode ser até valorizado:

- Com área externa, se o prédio for antigo, pode ficar até o mesmo valor dos apartamentos comuns. Mas se for um lançamento, aí é diferente, fica de 20 a 30% mais caro que os apartamentos comuns.

Mesmo nos empreendimentos populares, a lógica do preço se mantém. No programa federal “Minha casa, minha vida”, há cotas de unidades térreas que devem ser oferecidas, primeiramente, a idosos e deficientes. Segundo Rodrigo Resende, diretor comercial da MRV – uma das construtoras que integram o programa – , elas custam 4% menos do que as do segundo andar. Se têm área externa, no entanto, o valor sobe 5%.

Quando o andar de baixo vale mais

Comum nos prédios antigos e sem elevador, o apartamento térreo tem passado por uma repaginação e ganhado ares de casa com quintal, piscina e churrasqueira. Há cerca de cinco anos, o mercado imobiliário tem aproveitado o espaço no andar de baixo e invertido a lógica de que esses apartamentos são os mais baratos de um edifício. Com o conceito de apartment garden, as unidades valem até 35% mais do que um apartamento comum. Em média, custam R$ 600 mil.

imóvel térreo

- Muitos já vêm com grama sintética e são arquitetonicamente mais evoluídos – diz Rubem Vasconcelos.

Vice-presidente do Secovi Rio, Leonardo Schneider define o perfil de quem procura esses imóveis:

- Morar num apartamento com espaço, onde você pode ter uma churrasqueira, é visto como qualidade de vida. Talvez a pessoa não tenha a vista de um apartamento no alto, mas ela tem uma área que os outros não têm.

No lançamento do empreendimento Luar do Pontal, no Recreio dos Bandeirantes, as unidades do térreo foram vendidas rapidamente. Elas foram negociadas a partir de R$ 414.900.

- Hoje, sabemos que o apartment garden um produto muito bem aceito no mercado. São as primeiras unidades a serem vendidas. As pessoas procuram mais espaço, tempo ao ar livre para ter uma churrasqueira, por exemplo. É o resgate de ter uma casa com a segurança de um condomínio – explica Frederico Kessler, diretor de incorporação da Even no Rio.

- Entre as principais vantagens desta tipologia, está o fator “quintal”, que agrada em cheio aqueles que têm animais de estimação ou que moravam em casas e apreciam áreas ao ar livre. A facilidade e a praticidade de acesso, que dispensa o uso de elevadores e escadas, é um atrativo para idosos e pessoas com dificuldade de locomoção – Thiago Athayde, da incorporação da Living.

Cuidados ao comprar apartamento térreo

- Veja se há bastante luminosidade no imóvel, principalmente na cozinha e na sala, cômodos em que a claridade natural é sempre bem vinda

- Verifique se o apartamento não tem infiltrações, já que está muito próximo da terra. Se for fazer uma reforma, vale reforçar a base da parede e fazer uma impermeabilização, para evitar que a pintura forme bolhas

- Se a luz do sol não incidir tanto no apartamento, as roupas podem demorar mais a secar. Além disso, cuidado com a umidade

- Fique de olho na segurança do condomínio e do apartamento. Veja se as janelas e as portas são reforçadas com trancas e se há grades

- Apartamentos mais baixos costumam ser devassáveis. Confira até onde pessoas da rua ou vizinhos conseguem enxergar dentro dele. Fique atento à sua privacidade

- Vá ao imóvel em horários diferentes, para conferir se o barulho da rua não incomoda

- Confira se a área externa é realmente propriedade do imóvel (se consta na planta) ou se é do condomínio e apenas foi incorporada pelo morador anterior

- Leia a convenção do condomínio para ficar ciente das regras que deverá seguir e o que poderá ser feito na área externa

Fonte: Extra