Geradores: A energia do condomínio no escuro

Todo condomínio pode ser vítima de uma queda de energia. Os moradores estão protegidos? As áreas comuns, elevadores e os equipamentos essenciais exigem a segurança de um gerador, que evita que situações de risco provoquem acidentes

Há alguns anos, a população de alguns estados das regiões Sudeste e Centro-Oeste viu-se envolta de situações inusitadas devido a queda deolhinhos no escuro energia: engarrafamentos, perda de alimentos e pessoas presas em elevadores. Mais do que chateados com o acidente energético, os condôminos ficaram surpresos em saber que o prédio não contava com um gerador. No mínimo, estes aparelhos oferecem conforto aos moradores em caso de “apagões”, mas é o item segurança que mais convence os síndicos a adquirirem este equipamento, pois evita que pessoas fiquem presas em elevadores e possam circular pelas áreas comuns.

Para se ter ideia da proteção proporcionada por um gerador, enquanto uma iluminação por bateria tem autonomia de uma hora, a de um gerador é, em média, de oito a dez horas. O maior deles suporta 250 litros de diesel, que, em uma potência de 80 kv A, tem autonomia de uso de cerca de 20 litros. Normalmente, os prédios utilizam o gerador para alimentar um elevador e a iluminação de áreas comuns. Edifícios de alto padrão exigem geradores que alimentem mais de um elevador.

O local mais adequado para instalar um gerador é a garagem, no subsolo. É necessário pelo menos um espaço de quatro metros de comprimento por três de largura. Se o condomínio desejar, existe a opção de um grupo gerador carenado e sonorizado, que elimina o problema do barulho causado pelo equipamento. Este tipo é 30% mais caro que o gerador convencional, mas pode ficar inclusive exposto ao tempo. Mas as empresas fabricantes aconselham os funcionários ligarem o grupo gerador pelo menos uma vez por semana, para manter o equipamento lubrificado.

Correta manutenção

Um grupo gerador é um equipamento de alto investimento, e por isso, exige um programa de manutenção constante, para que, quando necessário, os moradores sejam beneficiados. Veja as principais medidas de manutenção, que podem ser aplicadas pelos funcionários, mas que não descarta o trabalho da assistência técnica.

- Nunca guardar materiais velhos e entulhos na sala do gerador

- Manter sempre limpos, livres e desimpedidos os acessos à sala do gerador

- Verificar se não há algum material caído sobre o gerador, pois isso pode provocar danos gravíssimos ao equipamento, quando ele entrar em funcionamento

- Ver se existe algum sinal de alarme de defeito no quadro de supervisão do gerador. Em caso positivo, o funcionário deve anotar qual o alarme foi acionado. Esta informação é muito importante para a assistência técnica.

- Certificar-se se o pré-aquecimento está mantendo o motor aquecido a 50°C, pois o gerador parte totalmente acelerado a 1800 rpm e, se o motor estiver frio, haverá um desgaste prematuro.

Fonte: Jornal do Síndico