Dicas para escolher a cadeira ideal para a mesa de jantar

Antes da compra, lembre-se de que o conforto ao sentar-se é essencial

Para cada tipo de ambiente normalmente escolhemos um estilo de mobiliário e, por conta disso, o mercado oferece uma infinidade de opções de cadeiras. cadeiras transparentes

Na opinião do designer Paulo Henrique Cerello, da loja Armando Cerello, antes de tudo, o conforto ao sentar-se é primordial. “Para uma refeição, trabalho ou qualquer atividade que façamos sentados à mesa devemos estar confortáveis e manter a postura adequada para prevenir qualquer tipo de mal estar”, recomenda.

Segundo ele, quando escolhemos as cadeiras também devemos decidir se queremos as peças com ou sem braços. “Em geral, as cadeiras com braços nos confortam um pouco mais, pois oferecem apoios que acomodam nossos cotovelos”, afirma.

Outro fator que precisa ser analisado é o espaço físico de que dispomos para acomodar as mesas e cadeiras. Em locais pequenos devemos optar por cadeiras sem braços. Se o ambiente tiver área maior, podemos optar por mesclar peças com e sem braços ou colocar todas iguais.

O designer alerta que é preciso prestar atenção também à altura dos braços das cadeiras em relação à altura da mesa. “Normalmente devemos escolher mesas com alturas que comportem acomodar os braços das cadeiras por baixo, pois quando nos sentamos à mesa aproximamos as cadeiras para nos posicionar melhor”, explica. Também é interessante tomar cuidado para não escolher mesas com bordas de tampos muito largas, pois podem atrapalhar a entrada dos braços das cadeiras por baixo do vão das mesas, muitas vezes danificando as peças.

Estilos

Os estilos mais comuns de cadeiras para a mesa de jantar são coloniais, rústicas, retrôs, clássicas e minimalistas. “Na hora de combinar as cadeiras com a mesa de jantar podemos ser conservadores e escolher todas as peças do mesmo estilo. Também temos a opção de combinar estilos completamente distintos, o que normalmente é a melhor opção nos dias atuais, deixando os ambientes menos monótonos visualmente e criando uma harmonia eclética que une os diversos ambientes da casa”, recomenda o designer. Com isso, não ficamos presos a um estilo só e podemos variar o mobiliário dos cômodos com mais facilidade.

Cerello acredita que devemos compor os ambientes com todas as peças que fazem parte da decoração. “As cadeiras e as mesas frequentemente são aliadas a aparadores ou bufês, que amparam o serviço da mesa, acomodando todos os apetrechos que farão parte das refeições.”

Materiais

No mercado encontramos uma diversidade muito grande de materiais, como madeira, estofados, alumínio, fibras naturais, ferro e materiais sintéticos – plásticos e variados polímeros. “É importante definir em qual ambiente vamos colocar o mobiliário. Peças para áreas externas necessitam de materiais que não sofram com a ação das intempéries, como alumínio, aço inox, fibras sintéticas e polímeros plásticos”, avalia. Já para os ambientes internos, devemos escolher os que forem mais agradáveis esteticamente e confortáveis.

Fonte: ZAP Imóveis