Dez passos para construção de uma casa

Toda construção pode parecer algo bastante complexo para quem não estudou engenharia ou arquitetura. Sem abrir mão da execução da obra por profissionais, é interessante que se faça o acompanhamento da construção, com algum conhecimento mínimo sobre importantes passos, por exemplo, para a construção de uma casa. Pensando nisso, uma construtora, a Machado Freire, que atua em empreendimentos residenciais e comerciais no País, com a construção de casas, edifícios, obras comerciais e loteamentos desde 1989, informou sobre 10 importantes ações para o levantamento da obra.

A empresa, fundada em 1990, é responsável por empreendimentos e incorporações em bairros paulistanos como Alto de Pinheiros e Vila Mariana. Abaixo, confira os passos a serem dados, segundo a construtora:

1º passo: consiste em determinar a locação da casa, nivelar e marcar o terreno para que as fundações sejam executadas conforme o projeto estrutural e respeitando todos os recuos necessários em relação aos imóveis vizinhos.

2º passo: a fundação ou como era conhecida no passado, o “alicerce” da casa tem como função suportar todas as cargas dos diversos elementos da casa, tais como, telhados, lajes, pilares e vigas, paredes e seus revestimentos e transmiti-los ao solo.

A escolha da fundação certa é, talvez, o maior segredo para se evitar no futuro aquelas indesejáveis fissuras e trincas que transmitem muita insegurança aos moradores. Dependendo do tipo de terreno e da existência ou não de água logo abaixo da camada superficial, com o apoio de um especialista em solos ou cálculo estrutural, determina-se a fundação mais adequada e viável do ponto de vista econômico para a casa.

3º passo: se a fundação for do tipo profunda (estacas, ou “brocas” como muitas vezes são conhecidas) a terraplenagem pode ser feita antes para facilitar a movimentação dos equipamentos.

Quando falamos de uma fundação direta, sapata ou sapata corrida, deve-se preferir mexer o quanto menos no terreno (não aterrá-lo), pois a condição natural de um solo pode nos garantir maior resistência superficial a fim de suportar as cargas (pesos) a serem nele distribuídos.

Uma vez feita a fundação, deve-se tomar especial cuidado com a impermeabilização destes elementos para evitar que haja percolação (subida) de água do solo para as vigas e paredes da casa, que costumam “estourar” a pintura interna e externamente.

4º passo: uma dica importante para evitar sujeira e desperdícios é já concretar o contrapiso antes de subir as paredes.

Além da limpeza e racionalização, este procedimento ainda faz com que a obra seja mais rápida e garante economia na hora de escorarmos as peças estruturais (lajes e vigas), pois temos um “plano” onde apoiarmos estas escoras.

Algo muito importante, nesta etapa, é não esquecer de colocar todas as tubulações hidráulicas e elétricas necessárias e que estão projetadas para passarem pelo contrapiso.

5º passo: a elevação das alvenarias (paredes) deve ser acompanhada por profissionais de elétrica e hidráulica, para garantir que todas as tubulações necessárias e de maior bitola (diâmetro) já sejam colocadas, evitando assim cortes e rasgos após sua conclusão, diminuindo assim os custos da obra, evitando-se a geração de resíduos (entulho) e melhorando o cronograma para execução do projeto.

6º passo: as paredes já subiram e chegou a hora de concretar as lajes de cobertura e vigas de “respaldo”. É necessário tomar muito cuidado com o escoramento de lajes e vigas para evitar um acidente e problemas na hora da concretagem. Se a opção é não ter um telhado, deve ser feita a impermeabilização com manta asfáltica para evitar infiltrações em tetos e paredes.

A manta só pode ser aplicada sobre uma superfície lisa, isto é, deve ser feita uma regularização com argamassa de areia e cimento já prevendo os caimentos para os ralos, para evitar empoçamentos e possíveis problemas futuros.

7º passo: se você optou por telhados (embutidos ou aparentes), deve tomar cuidado com o tipo de madeira ou estrutura que deverá receber as telhas. Como geralmente, escolhemos a telha primeiro, precisamos saber qual será o tipo e modelo, pois cada telha exige uma inclinação (caimento, geralmente, medido em percentual) e um dimensionamento de ripas, tanto quanto a sua espessura como seu espaçamento).

Se a opção for por telhas metálicas ou de fibrocimento, no lugar das ripas, teremos a preocupação com o espaçamento das terças para apoio das telhas.

Dependendo do tipo de telhado, teremos ainda oitões (paredes feitas para fechamento de vãos sob o telhado), empenas (paredes geralmente decorativas e que também servem para delimitar “panos” de telhados) e tabeiras (madeira colocadas na ponta dos caibros para acabamento inferior das telhas).

Um item muito importante quando falamos de telhados sem uma laje por baixo é a colocação de mantas de subcobertura para evitar a infiltração de água sobre forros ou mesmo pisos.

8º passo: sua casa já está pronta para receber os revestimentos. Antes da aplicação do chapisco sugerimos a execução de “barrados impermeáveis” internos e externos para auxiliar no combate à água que pode subir pelas paredes. Depois disso, conferir a posição e dimensões de todos os vãos de portas e janelas é fundamental para não termos retrabalhos e custos não previstos.

Quando for feito o revestimento de tetos (gesso liso, emboço ou forros de gesso ou madeira, por exemplo) e paredes, deve-se tomar ainda um cuidado especial com os “esquadros”, “prumos” e “níveis” para garantir que pisos, azulejos, portas e janelas consigam ser instalados de forma adequada. Antes da execução dos revestimentos internos e externos, certifique-se que todas as tubulações, quadros e caixas elétricas foram instalados corretamente.

9º passo: chegou a hora dos acabamentos. Se as paredes e pisos foram adequadamente regularizados, você não terá problemas nesta etapa. É uma etapa muito cara, por isso, devemos ter muita cautela nas etapas que a antecedem.

Aproveite para verificar também se todas as enfiações já foram passadas e se as tubulações e registros de áreas molhadas (banhos, cozinha e lavanderia) estão bem posicionadas e fixas. Se ainda não foi feito, sugerimos que todas as tubulações hidráulicas sejam preenchidas com água para sabermos se há algum vazamento.

Depois do revestimento aplicado, o prejuízo pode ser muito grande. Outro cuidado muito importante é quanto à impermeabilização de áreas molhadas, especialmente, pisos de banhos e paredes dos boxes dos chuveiros.

É bastante comum depois de algum tempo de uso, meses ou até anos, começarem os problemas de vazamentos em tetos e paredes, caso não tenhamos tomado este cuidado.

10º passo: chegou a hora de deixar sua casa mais bonita, com a pintura, instalação de portas e janelas e colocação de bancadas e pias de mármore ou granito. Depois disto é só colocar as louças e metais e iniciar a limpeza final.

Fonte: Folha do Condomínio