Decoração e planejamento ampliam espaço de pequenos imóveis

O boom imobiliário dos últimos anos incluiu lançamentos de todos os tipos de apartamentos, inclusive os muito pequenos. Nesses, para que o tão falado sonho da casa própria se torne uma realidade agradável, e não um exercício de resistência à claustrofobia, é importante investir numa decoração que ajude a dar ideia de amplitude. Mais que embelezar o imóvel, há que se aproveitar cada palmo quadrado.

Neste projeto de 48m², a disposição da sala de TV foi alterada, com inclusão de uma marcenaria com suporte giratório para atender aos três ambientes

Neste projeto de 48m², a disposição da sala de TV foi alterada, com inclusão de uma marcenaria com suporte giratório para atender aos três ambientes

“As áreas reduzidas de apartamentos têm estimulado soluções de aproveitamento de espaço e também ambientes multifuncionais, que, com pequenas alterações de layout, podem ser utilizados de diferentes maneiras”, explica a arquiteta e designer Ana Paula Barros, de Campinas.

Um passo fundamental, diz ela, é planejar bem a ocupação, estudar várias opções. “O erro mais comum cometido pelas pessoas é insistir em móveis grandes herdados ou trazidos na mudança, que acabam obstruindo a circulação”, afirma. Sim, em nome do conforto pode ser melhor abrir mão de alguns adoráveis trambolhos que você acumulou ao longo dos anos. Em imóveis apertados, circulação é a palavra-chave, e uma peça de grandes dimensões tende a limitá-la excessivamente.

Uma boa saída, sugere a arquiteta Aclaene de Melo, de Porto Alegre, é tirar o maior proveito possível de espaços pouco valorizados: colocar prateleiras acima das portas e aproveitar áreas abaixo de escadas, camas ou mesa de centro. “Esses locais podem armazenar o que for necessário e são grandes aliados na busca por espaço”, comenta.

Ana Paula também inclui entre as recomendações o uso de espelhos, que, bem posicionados, ajudam a dar uma sensação de amplitude. “Também é possível abusar de peças multiuso, como pufes que viram mesinhas de apoio e peças flexíveis com sistemas pivotantes ou embutidas.”

Outra estratégia interessante – e já há algum tempo em voga na arquitetura – é “eliminar paredes e integrar mais os ambientes”, diz Ana Paula. Por outro lado, um recurso que igualmente virou moda deve ser evitado em espaços exíguos: para dar mais vida à decoração, pintar uma única parede de cor forte. O problema, a arquiteta de Campinas, é que ela ganharia destaque excessivo e aumentaria a percepção das dimensões do ambiente – ou seja, poderia dar a sensação visual de que ele é ainda menor.

Fonte: Terra