Cuidados básicos para evitar o turn over excessivo de funcionários em condomínios

A troca de funcionários em um condomínio, como porteiros e seguranças, é sempre um momento muito delicado.

Nos casos de turn over excessivamente elevado, ou seja, um entra e sai contínuo de profissionais, pode ficar um sentimento de insegurança entre os moradores e pode haver até uma queda na qualidade do atendimento.

O condomínio, além de deixar de contar repetidamente com os serviços de funcionários já ambientados e que detêm a confiança e até mesmo o carinho dos moradores, ainda precisa selecionar de forma minuciosa o novo funcionário, buscando o máximo de informação sobre os candidatos antes de qualquer seleção, disse a gerente de serviços da Auxiliadora Predial, Susana Cogo.

Uma das maiores preocupações na hora de contratar é a segurança. Nos últimos anos, o gasto com equipamentos de monitoramento como câmeras, sensores de presença, alarmes e entradas inteligentes cresce a topo vapor. Porém, todos estes gastos se tornam inúteis se o trabalhador do condomínio não for de confiança.
A gerente de serviços da Auxiliadora Predial, Susana Cogo, alerta para a necessidade de obter uma referência de antigos trabalhos e até mesmo de checar se o candidato a funcionário já teve algum tipo de problema no passado. “As indicações contam muito, o testemunho do que a pessoa fez em sua vida profissional tem muito valor, pois o currículo pode não representar a realidade”, orienta.

Outras medidas podem ser adotadas para ajudar na seleção dos novos porteiros e seguranças, tais como avaliação de cursos realizados e escolaridade, e uma avaliação psicológica.

Após o recrutamento, é preciso deixar bem claro para o novo funcionário os seus deveres e atribuições diárias.

É preciso também mostrar o que o condomínio espera dele, quais são as expectativas de todos e tratá-lo da mesma forma como era tratado o funcionário anterior, alerta Susana.

Além disso, o contratado deve passar por um período de adaptação à rotina do condomínio, sempre acompanhado de perto por um funcionário mais experiente, que já esteja a par de todo o dia-a-dia do prédio. Este acompanhamento não possui uma data correta para ser feito, depende muito da resposta do contratado. O ideal, segundo Susana, é que o acompanhamento seja feito até o novo funcionário se sentir seguro e adaptado.

Fonte: SindicoNet