Crise, Negócio e Condomínio

Por: *Elenita Fogaça

Palestrantes do 14º encontro para empreendedores, O Estadão PME, do qual participei, foram unânimes em afirmar que, em tempos de crise, surgem as oportunidades. Parece jargão de gestão de negócios, mas a experiência demonstrada por esses executivos de marcas tão bem-sucedidas como Track&Field, Tip Top, Locaweb, Samba Tech, Outback, Spoleto, Arezzo e Riachuelo despertou a esperança de quem estava lá, em busca de luz para iniciar um negócio próprio.

Em comunidades virtuais das quais participo vejo que têm crescido o número de profissionais oferecendo seus serviços para seus vizinhos. São aulas particulares, advogados, esteticistas, entre tantas outras atividades.

Muitos, com empresas constituídas, emitindo nota fiscal, o que me faz repensar sobre os antigos estatutos ou convenções condominiais nos quais são explícitas as condições do prédio ser estritamente residencial, não podendo ter empresas funcionando no mesmo endereço.

No judiciário existem inúmeros casos de profissionais que foram multados por trabalhar em casa e ter a empresa registrada no mesmo endereço de onde mora.

Para evitar esses conflitos, os especialistas sugerem o diálogo entre o morador, o síndico e a administradora. Além dos profissionais que estão oferecendo seus serviços para os vizinhos, o exemplo serve também para quem opta em ter home office.

É sempre aconselhável, para quem trabalha em casa, não alterar a rotina do condomínio, com entra e sai de entregadores, barulho excessivo como os de máquina de costura ou de uma serra elétrica.

A vontade de ter seu próprio negócio e o desemprego são alguns fatores que determinam o empreendedorismo para quem quer trabalhar em casa. No entanto, outra situação, como a dificuldade de bancar o aluguel de uma sala comercial e o condomínio, tem levado muitos profissionais a trabalharem em casa.

Uns encaram isso como fracasso, outros pensam na oportunidade de ficar mais tempo no seu metro quadrado conquistado e com a família, enquanto produzem profissionalmente. Trabalhar em casa exige disciplina, mas é muito prazeroso.

Alguns dos palestrantes do evento citado tocaram em pontos que me chamaram atenção de uma forma especial.

Um foi a de que quando pensar em empreender algo se pergunte qual o problema que você vai solucionar com o seu negócio. Outro foi: faça com paixão, porque deixa de ser trabalho penoso, daí você consegue administrar a sua agenda e não fica revoltado porque tem de trabalhar sábado à tarde, lembrando-se que como dono ou dona, você pode parar numa terça-feira, às 15 horas, para cuidar da beleza, por exemplo.

O palestrante que mais arrancou aplauso do público foi Salim Maroun, do grupo das redes Outback e Abbraccio. Resumidamente ele disse: não embarque na onda das crises éticas e políticas do Brasil. Faça você a sua parte, exercendo a ética no seu dia a dia, dentro do seu negócio ou de sua casa. Seja o exemplo.

Fonte: Folha do Condominio