Conforto no quintal

As opções de materiais disponíveis no mercado facilitam a construção e a manutenção de uma piscina

Seja para lazer ou para cuidar da saúde, uma piscina em casa propicia conforto e agradáveis momentos de lazer. Porém, é necessário cuidados para que tudo saia como o planejado e não haja problemas com vazamento, higiene e até com os vizinhos.

“Todo mundo pode ter uma piscina, só é necessário buscar um engenheiro ou arquiteto para fazer o projeto, para que não haja imprevistos”, afirma Tiago Berteli, da Blue Pool Piscinas, acrescentando que nas lojas também há profissionais disponíveis para essa orientação.

“O primeiro passo antes de fazer o projeto é definir o que se espera da piscina: se será apenas para lazer, natação, hidroginástica, biribol ou spa, por exemplo. Baseado nisso fazemos projetos personalizados. Em seguida o profissional irá avaliar o local e verificar se há necessidade de recuos, a proximidade do muro, se há fossa ou encanamento no local, se há desnível no terreno, para que não haja nenhum problema com a legislação”, orienta Berteli.

A piscina pode ser feita de fibra ou de alvenaria, revestida de azulejos ou vinil. Desses materiais, segundo o especialista, a fibra é a que possibilita menos personalização, já que a estrutura está pronta, porém, é a obra mais rápida. “O vinil apresenta o melhor custo-benefício, molda-se à estrutura, acompanha qualquer desenho e já faz a impermeabilização, além de ser antibacteriano”, avalia.
Berteli lembra que, como em qualquer obra, é preciso buscar profissionais capacitados, para evitar problemas como vazamentos e infiltrações, que nem sempre são evidentes.

Leila Bargas, da Cia das Águas ressalta que é importante adequar o projeto da piscina com o espaço disponível, lembrando que em volta da piscina existem os ramais de hidráulica da mesma. “É preciso projetar o espaço para a casa de máquinas também e verificar quais os recuos que devem ser seguidos, tanto da prefeitura como as normas de construção quando se é em condomínio fechado”, destaca.

De acordo com ela, a facilidade de acesso ao local da piscina também pode interferir no custo final e no tempo para término da obra. “Se for possível fazer a escavação da piscina com máquinas, esta será mais rápida e mais viável financeiramente. Caso não dê acesso para máquinas a escavação terá que ser feita manualmente, o que irá levar mais tempo e é mais cara”, conta.

Piscinas automatizadas

Nem todos têm tempo ou sabem como cuidar da uma piscina. Para manter a água limpa e sem oferecer riscos à saúde, a manutenção tem que ser feita pelo menos três vezes na semana, com a filtragem, a adição de cloro e a limpeza dos sedimentos. Para isso é comum se buscar o auxílio dos piscineiros, porém, com a redução de custos da automação, a visita do profissional pode ser reduzida para apenas um dia na semana.

“A instalação de aparelhos certos diminui bastante esse trabalho. Com o uso da lâmpada ultravioleta é possível eliminar no mínimo 75% de fungos e bactérias, diminuindo sensivelmente o uso de cloro para apenas um dia na semana. Assim a água é tratada de forma automática, além de reduzir o risco de alergia em quem apresenta problemas com o cloro”, atesta Tiago Berteli, da Blue Pool Piscinas.

Outro aparelho que facilita a manutenção é o filtro com timer. O proprietário programa o equipamento, que efetuará filtragem automaticamente. Para finalizar, o aspirador automático limpa o chão e as paredes da piscina. “Dessa maneira é necessário apenas fazer a adição de cloro uma vez na semana e limpar alguma sujeirinha que tenha ficado no canto”, afirma.

Fonte: Folha de Londrina