Cobertura com elegância

Cobertura com elegância

Em dias de chuva ou sol escaldante os condôminos sempre procuram abrigo e proteção. Chega um visitante à portaria, que precisa aguardar por alguns minutos o porteiro comunicar ao morador e, para não se molhar na chuva ou torrar no calor, lá estão elas, as coberturas. Essa foi a experiência relatada pelo zelador Marcelo Fonseca, do Condomínio Residencial Andorra, em Florianópolis.

“As pessoas ficavam esperando e se molhavam quando chovia. Então decidimos instalar um toldo na entrada do prédio, material de lona, mais funcional e barato”, conta e acrescenta que a estrutura levou um pouco mais de charme à entrada do condomínio: “os moradores gostaram, muitos vieram tirar foto, deixou a portaria estilosa”.

As coberturas são encontradas no mercado, em variados tipos de materiais, preços e formas de design para, além da funcionalidade, compor a beleza arquitetônica em portarias, hall de entradas, salão de festas, churrasqueiras, área de piscina e garagem.

Para decidir pelo melhor material que se adequasse ao condomínio, o zelador Marcelo lembra que foi feita uma assembleia para aprovar sobre a necessidade da cobertura. “Fizemos orçamentos, procuramos um bom profissional”, diz.

Conforto e beleza são fundamentais, mas no Condomínio Andorra o quesito segurança também foi observado. “O toldo não cobre a visão da cabine de portaria. Tomamos cuidado para não comprometer a visão do porteiro”, destaca o zelador.

No Condomínio Via Marguta, no Córrego Grande, em Florianópolis, os condôminos optaram por uma cobertura de policarbonato (acrílico). O síndico Luiz Gomes atesta a durabilidade deste material:“Temos o nosso há 15 anos.

Precisamos somente pintar a haste de ferro duas vezes”, salienta. Sem transtornos para a instalação, o síndico lembra que o procedimento de montagem foi rápido.“Eles fazem o projeto antes e, sob medida, trazem a estrutura pronta para instalar. Além de proteger do sol e da chuva ficou mais bonito”.

Materiais

Policarbonato – É um dos materiais mais procurados por possibilitar a aplicação de desenhos, cores e formas, incrementando elegância. Por ser translúcido, promove proteção contra os raios ultravioletas preservando a luz natural. Encontrado no mercado em vários tons, entre eles, cristal, branco, bronze, verde, fumê e azul.

Depois de instalado, requer manutenção simples: lavar com sabão neutro sem adição de produtos corrosivos, realizar pintura das hastes estruturais. Mais barato que o vidro laminado. Encontrado em dois modelos:

Alveolar - Chapa estruturada com cavidades internas (alvéolos), que trazem aspecto de vidro canelado. Auxilia a manter a temperatura agradável, amenizando o calor ou o frio intensos. Resistente. Com o passar dos anos pode amarelar. Sua previsão de vida útil mais conservada é de até oito anos, é 85% mais leve que o vidro.

Compacto - Chapa maciça, com características semelhantes às do vidro, no entanto, resistente a intempéries, escoamento de água, chama ou impactos. Aplicada promove aspecto de leveza. Material versátil, permite modulações em curvas e retas para serem aplicadas em estruturas de metal ou madeira, que alinha com as características de design do condomínio. Pode durar até 10 anos sem amarelar.

Vidro - Embora seja mais caro e menos resistente, há ainda quem opte pelo vidro. Material mais pesado, também encontrado em diversas cores, com proteção ultravioleta, auxiliando a manter o conforto térmico. Para o vidro cabe um alerta aos síndicos, pois é proibida a instalação de vidro temperado, segundo normas de segurança do Corpo de Bombeiros.

“Este material, quando recebe impacto estilhaça, podendo causar acidentes. Motivo de bloqueio no habite-se”, explicou Dorival Soares, técnico de montagem, em Florianópolis. A opção permitida é o vidro laminado que, ao receber impacto, trinca sem soltar cacos.

Aluzinco - É uma telha ondulada composta de zinco, alumínio e silício, resistente à corrosão. Essa opção é geralmente requerida nos condomínios para coberturas de estacionamento e bicicletários. Mais limitadas em design, as coberturas de aluzinco são pouco utilizadas em hall de entrada. No quesito durabilidade é uma das mais requisitadas. Não enferruja, não amarela e sua vida útil pode passar de 30 anos.

Lona - Material de fibra de carbono, mais fraco e mais barato. Também se apresenta em cores diversas. Imprescindível lavar com detergente neutro para manter ao máximo a sua cor. É supersensível a materiais corrosivos.

Com o tempo pode amarelar e manchar. Pode durar em média oito anos, a depender dos cuidados de manutenção, sendo necessária, após este período a troca, podendo a estrutura ser mantida.

Polipropileno - Material leve e flexível composto de resinas termoplásticas translúcidas, bloqueia os raios ultravioletas, permitindo a penetração de até 70% da luz solar. Um material mais econômico e que pode compor um design bonito para áreas comuns do condomínio.

Fonte: CondomínioSC