Câmeras por todos os lados

Elas estão por todos os lugares, registrando os mínimos movimentos de um ambiente. Assim, as câmeras de circuito de TV – CFTV – tornaram-se imprescindíveis em condomínios para garantir a segurança do patrimônio e dos moradores. Hoje, os equipamentos são mais eficientes

O CFTV – circuito fechado de televisão – é um dos sistemas eletrônicos de segurança mais utilizados no mercado pelas pessoas que procuram se prevenir contra a criminalidade. É um sistema que permite identificar possíveis problemas, posicionando-se também como inibidor das ações, tanto de agentes externos como dos internos. Deve estar sempre integrado a outro sistema, como o de alarmes sensoriados, possibilitando assim, não só a identificação do problema, como também o mecanismo de alerta, para que, em caso necessário, sejam acionados os meios competentes para deter o evento.

O sistema, como o próprio nome diz, é um circuito fechado de câmeras, posicionadas conforme a necessidade do local e a conveniência do cliente, que transmitem as imagens para um ou vários monitores de televisão, permitindo que uma pessoa observe os fatos em andamento. A observação pode ser local ou em lugar remoto. Com o desenvolvimento da tecnologia e o acesso à internet, atualmente é possível, através de equipamentos e software especiais, visualizar o local que possui CFTV de um computador remoto: alguém que tenha um notebook pode, por exemplo, conectar-se ao CFTV de sua empresa ou casa de campo e verificar o que está se passando lá.

Kit de equipamentos

Os equipamentos básicos utilizados são câmeras de vídeo e monitores de televisão. Contudo, para o funcionamento e eficiência adequada do sistema, são necessários ainda equipamentos mixadores das imagens para gravação e apresentação das várias imagens no mesmo monitor, gravadores das imagens geradas para arquivo e equipamento para a transmissão remota, entre outros.

As câmeras variam muito, assim como seus preços. Desde uma mini-câmera, do tamanho de uma caixa de fósforos, até câmeras com lente de aproximação (zoom), acopladas em dispositivos motorizados que são acionados por controle remoto e podem observar pontos distantes, buscando o ângulo mais adequado de visão. Outra opção disponível é a gravação de sons. A maioria funciona com baixa voltagem. Ao escolher entre os tipos de câmera, a primeira consideração a ser feita é o local onde cada uma será instalada: as de uso interno são mais simples e não costumam dar problemas, já as externas devem-se ter mais cuidados ao escolher caso fiquem expostas ao tempo, devem ser a prova d’água ou possuírem um protetor à prova d’água.

Outra consideração a ser feita é o uso de câmeras coloridas ou branco-e-preto. As mais utilizadas são as branco-e-preto, que em situação de baixa luminosidade capturam melhor a imagem do que as coloridas. Já as coloridas possibilitam identificar mais rapidamente as pessoas.

Posicionamento correto

Por fim, o posicionamento ideal das câmeras é o fator fundamental para o bom resultado do sistema. É preciso estar certo de que a câmera vai cobrir a área que se pretende observar. Em sua maioria, as câmeras são projetadas para a cobertura de áreas não muito grandes, de 2 a 6 metros de distância entre a câmera e a área observada. Também se deve ter o cuidado de não colocar as câmeras em locais onde a luz – seja solar, de holofotes ou luminárias – atinja o campo de visão das câmeras, o que prejudicaria a qualidade da imagem e a identificação de movimentos.

Os monitores podem ser escolhidos entre os dedicados exclusivamente ao CFTV, convenientes para a central de monitoramento das imagens, ou em monitores de televisão propriamente dito, permitindo que os moradores verifiquem em um canal próprio para o CFTV quem está chegando ou saindo.

Assim, por exemplo, todos moradores de um prédio podem acompanhar as movimentações no condomínio.

Manutenção

Um item de fundamental importância no sistema de CFTV é a instalação e sua manutenção. É necessário planejar, se possível, a instalação do sistema totalmente independente, principalmente o de alimentação, utilizando baterias auxiliares, para, no caso de uma interrupção de energia, o sistema não ficar inoperante. A utilização de cabos e conexões adequadas e de alta qualidade, bem como a correta ligação entre os diversos equipamentos do sistema, permitirá o funcionamento desejado e eficiente do sistema. Dessa forma, recomenda-se sempre procurar uma empresa especializada no sistema e que apresente os serviços já executados e em funcionamento realizados.

Fonte: Jornal do Síndico