Aulas no condomínio

Muitas atividades podem ser feitas praticamente sem sair de casa. Mas contratar um prestador de serviços requer atenção

Aulas de idiomas, dança, meditação, corrida, natação… são muitas as opções que podem ser realizadas diretamente no condomínio, especialmente se o empreendimento oferece espaço e há muitos moradores interessados. Em alguns casos dá até para conseguir preços melhores, além, é claro, da economia de tempo que a necessidade de não se deslocar proporciona.

Kelly Niglio é personal trainer e conseguiu unir trabalho e comodidade. Algumas vezes na semana ela dá aulas em seu próprio condomínio, na zona norte paulistana. Além de criar laços com os vizinhos, ela acredita que as aulas compartilhadas podem ser muito mais divertidas e produtivas. E um motiva o outro a se superar.

Cuidados– Um detalhe do qual nem todos se lembram é de que é preciso ficar atento com relação à contratação do profissional para que nenhuma das partes seja lesada.

Segundo o advogado e consultor em condomínios, Rodrigo Karpat, se a contratação for uma decisão do condomínio, é necessária uma assembleia para aprovação da conta que pode ser paga ou, ainda, para o formato conhecido como pay per use, no qual cada condômino paga a sua parte.

“Se o condômino tiver interesse na contratação de um profissional independente, o condomínio não tem como impedir, salvo disposto em Regimento ou Convenção. Caso ele preste serviços a muitos moradores, o ideal é tentar vinculá-lo a uma empresa prestadora de serviços a fim de que se evite qualquer problema futuro na justiça do trabalho”, completa.

Pagamento comprovado – Kelly conta que, no seu caso, cada condômino paga mensalmente e de forma individual, e ela não oferece recibo nem algo parecido. Mas Karpat faz um alerta:

“Quando o profissional está sendo contratado diretamente pelo condomínio, o ideal é que ele tenha uma pequena empresa, que pode ser individual, ou que recolha o tributo devido através de um RPA (Recibo de Prestador Autônomo).”

Para se eximir de culpa futura, o condomínio não deve interferir na relação entre profissional e morador. Já o profissional deve solicitar o Regimento Interno e as deliberações em assembleia sobre as regras do condomínio para o tipo de serviço prestado, com o objetivo de adequar a sua prestação de serviços ao que é determinado no local.

Tenha aulas sem dor de cabeça:

- Se a decisão de contratar o profissional for do condomínio, é preciso realizar uma assembleia com os moradores para aprovação

- Para garantir proteção a ambos os lados, a contratação pode ser feita em regime CLT (caso o profissional seja contratado diretamente pelo condomínio) ou podem ser emitidos os RPAs (Recibos de Prestador Autônomo)

- O condomínio não deve interferir se o profissional for atender apenas um morador. Se o número aumentar, o ideal é vinculá-lo a uma prestadora de serviços a fim de que se evite qualquer problema futuro na justiça do trabalho

- As aulas em condomínio são uma ótima maneira de levar entretenimento e interação para os moradores, basta um pouco de cuidado

Fonte: iCondominial