As demandas nos condomínios mistos

Os condomínios mistos têm se tornado um nicho de mercado bastante atrativo às grandes incorporadoras. Com o argumento de aumentar a qualidade de vida dos moradores, muitas construtoras têm investido neste conceito de edifícios, que agrega apartamentos residenciais e também espaços comerciais, com lojas e escritórios. Para esses empreendedores,trata-se de uma opção interessante aos profissionais liberais, como dentistas, advogados e contadores, que podem ter o escritório a poucos metros de casa.
De acordo com as empresas que atuam nesse segmento, optar por trabalhar no mesmo condomínio pode significar economia de tempo e dinheiro, já que o condômino não irá desperdiçar horas no trânsito, consumindo gasolina.
Geralmente, esses complexos de convivência possuem administrações diferentes, pois têm propostas diferenciadas. “Nosso edifício é residencial e comercial, sendo um único condomínio, porém sua administração é feita de maneira independente, as decisões são tomadas de forma autônoma, como se fossem dois condomínios. Existem dois conselhos um para o residencial e outro para o comercial, no enanto, apenas um síndico para todo o complexo”, explicou Hugo Ribeiro, síndico do Condomínio Tribeca, que fica na zona Oeste da cidade de São Paulo.
Ele acredita que por ter um estilo diferenciado de moradia, é natural que o serviço prestado seja de alta qualidade, e por isso, muitas administradoras preferem contratar o serviço terceirizado, para evitar problemas como falta de funcionários, preocupação com a folha de pagamento, entre outras coisas.
Em geral, os serviços mais contratados são os gerais e de portaria. “A limpeza precisa ser impecável, halls e áreas sociais devem estar bem higienizados para garantir o bem-estar dos condôminos. Na portaria, o nível precisa ser ainda maior, já que o posto é responsável pelo controle de entrada de moradores e visitantes, muito importante para manter a segurança, com os porteiros também responsáveis pela boa apresentação do condomínio”, afirmou o síndico.
Amilton Saraiva (foto), especialista em condomínios de uma empresa que presta serviço terceirizado, disse que os funcionários que trabalham nesses complexos devem ser treinados para entender a interatividade que há nestes ambientes. Ele destacou que os colaboradores precisam estar motivados, e para isso designa líderes que possam coordenar o trabalho. “O papel do líder é cuidar da equipe, em coisas como pontualidade, uniformes, faltas e também motivação. A função dessas lideranças é cobrar, mas também dar subsídio para o colaborador poder desempenhar seu papel”, explicou o empresário.

Fonte: Folha do Condomínio