Adegas conquistam espaço nos projetos

Antes restritas aos aficionados por vinhos, as adegas caíram no gosto dos compradores e conquistaram espaço nos projetos das construtoras como um novo espaço de convívio para moradores e convidados

Decorado da Plaenge: oito projetos com adegas desde 2009. | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

Decorado da Plaenge: oito projetos com adegas desde 2009.

As temperaturas mais baixas fazem do vinho um delicioso aliado para quem gosta de curtir a estação mais fria do ano no conforto de casa. Para tornar a experiência ainda mais aconchegante, os proprietários dos imóveis estão contando com uma ajudinha das construtoras, que têm incorporado adegas nos projetos de seus lançamentos.

Dentro da área privativa dos apartamentos, a Plaenge é uma das construtoras que tem apostado na oferta desses espaços, presentes em pelo menos oito empreendimentos lançados ou entregues desde 2009. Luiz Gustavo Salvático, gerente regional da construtora, conta que a decisão de investir no espaço veio do objetivo de atender às novas expectativas dos compradores.

“As pessoas começaram a pedir ambientes de convivência que saíssem da mesmice da sala de estar. Assim, surgiram as varandas e cozinhas gourmets, que possibilitaram aos moradores receber mais os amigos em casa. Dentro deste conceito, as adegas chegaram para complementar os espaços de convívio”, pontua.

Nos projetos da Plaenge, as adegas medem entre 4 m² e 6 m², em média, e são integradas ao living ou aos ambientes com lareira. Salvático diz que o espaço pode receber outro uso, como escritório ou dormitório de serviço, mas ao menos 60% dos clientes optam pela permanência da adega. “Ela se torna um diferencial, pois o cliente enxerga ali a possibilidade de incluir um espaço de lazer que, muitas vezes, não havia pensado. E isso não só para apreciadores de vinhos, mas também para pessoas que gostam de café ou cervejas gourmets, por exemplo”, acrescenta.

Outra empresa que investiu no ambiente é a Paysage Empreendimentos, que traz uma adega comunitária no projeto do condomínio horizontal Paysage La Ville, localizado no bairro Umbará.

Adega em casa

Também é possível adaptar a casa para receber uma adega, solução que tem atraído um número cada vez maior de moradores. A arquiteta Fernanda Borio conta é possível escolher a melhor área para instalar a adega antes da construção do imóvel. De preferência, deve ser uma área mais úmida e menos ensolarada para otimizar a conservação do vinho. Para casas já construídas, levar a adega para porões ou para debaixo de escadas são boas opções.

“Quanto mais frio e escuro for o ambiente, menos ele exige intervenção artificial. Adegas maiores demandam um pouco mais de infraestrutura, como climatização com ar-condicionado e porta, geralmente em vidro, para manter o ambiente isolado”, acrescenta. Para Fernanda, o investimento nas adegas pode ser justificado pela paixão dos apreciadores da bebida, que não desejam apenas um local para armazenar as garrafas, mas sim para reunir os amigos, apreciar a safra e desfrutar do ritual envolvido na degustação da bebida.

Mobiliário planejado cria espaços caseiros para guardar o vinho

Para quem não pode investir em uma reforma ou não tem espaço suficiente para a construção de uma adega, optar por uma mobília planejada é uma saída para manter um cantinho destinado à conservação e degustação da bebida dentro de casa.

Luana Freire, designer de interiores da Simonetto Móveis Planejados, conta que de cada dez projetos desenvolvidos pela empresa, oito contemplam adegas, envolvendo desde as pequenas “geladeiras” climatizadas até nichos para acomodar as garrafas. “Eles podem estar na bancada da cozinha ou em móveis que façam a integração dela com o ambiente social”, conta.

Materiais

Entre a diversidade de materiais disponíveis, o MDF é um dos mais indicados para a confecção das adegas, pois permite a modulação milímetro a milímetro, otimizando o uso do espaço. Aramados também podem ser utilizados desde que não seja deixada de lado a inclinação necessária à acomodação das garrafas, uma vez que o líquido deve ficar sempre em contato com a rolha.

Luana explica que um nicho de 13 cm x 13 cm, com profundidade de 30 cm a 35 cm é suficiente para acomodar uma garrafa, permitindo, inclusive, a visualização do rótulo. “Um nicho de 30 cm de largura por 60 cm de altura é suficiente para armazenar nove garrafas”, completa.

O preço médio da peça em MDF com tais dimensões gira entre R$ 400 e R$ 500, em média.

Fonte: Gazeta do Povo