93,5% dos síndicos são do próprio prédio

Foto: Arquivo

xistem 6,5% que são contratados para a função

A base de clientes de uma administradora de condomínios na cidade de São Paulo, que conta, segundo a empresa, com cerca de 1,6 mil prédios residenciais na capital, possui 93,5% de síndicos que atuam na função e moram no próprio edifício. Existem 6,5% que são contratados para a atividade. O levantamento apontou ainda que a maioria dos representantes legais dos condomínios são homens, respondendo aproximadamente por 70% do total.

Outra realidade para cerca de 1/3 dos condomínios da cidade é que nos primeiros três meses do ano são realizadas assembleias para escolher seus novos representantes legais. A maioria dessas votações ocorre entre janeiro e março, nos prédios residenciais.

A perpetuação do síndico no cargo

Nesses encontros de condôminos, a reeleição do mesmo síndico ainda predomina, já que cerca de 70% das assembleias realizadas para a escolha do novo síndico acaba confirmando a mesma pessoa que já ocupava o cargo anteriormente.

Segundo a administradora, na década passada a permanência do mesmo síndico era chancelada em 90% das assembleias realizadas com esta finalidade.

Apesar do elevado percentual de permanência de síndicos na função, para Angélica Arbex, gerente de Relacionamento da administradora, a mudança é significativa e reflete a maior preocupação dos moradores, principalmente, dos novos condomínios entregues nos últimos 10 anos.

Para ela, “há cerca de 20 anos, administrar um condomínio resumia-se simplesmente em gerir as finanças e funcionários. Hoje, dado, à complexidade dos empreendimentos modernos, onde há verdadeiros clubes e, em alguns casos, populações maiores dos que cidades do interior de São Paulo, o síndico hoje é uma pessoa multidisciplinar, atua e transita por diversas áreas, desde pequenos palpites de engenharia até conciliar conflitos entre vizinhos”, disse.

Segundo Arbex, assim como em qualquer eleição, os moradores devem ter cuidado na escolha de quem irá comandar o dia-a-dia do condomínio, perguntar, por exemplo, sobre suas propostas, sobre o tempo que terá para cuidar das demandas do condomínio, as mudanças que pretende realizar na gestão e, principalmente, como fará para garantir segurança e comodidade aos moradores.

O síndico pode ser proprietário, inquilino ou alguém de fora do prédio, conforme a decisão da maioria dos condôminos. Suas principais atribuições são representar legalmente o condomínio, zelar pelo cumprimento da convenção e do regimento interno, cuidar da conservação e da manutenção das áreas comuns e equipamentos, negociar com fornecedores e prestar contas aos condôminos sobre despesas efetuadas, entre outras responsabilidades.

Fonte: Folha do Condomínio